RSS

Medição de Cores

Embora o design e a seleção de cores sejam uma arte, definitivamente a cor é uma ciência, e isso significa que ela pode ser medida. As medições científicas de saída de cores permitem um maior controle do processo de produção de impressão. Traduzir cores em cálculos matemáticos baseados em dados gerados por dispositivos de medição elimina a necessidade de um operador de impressão “examinar” a folha de impressão para ver se ela está correta.

Existem três dispositivos diferentes usados para medir as características de cores, e cada um tem sua função durante o processo de design e produção. Esses dispositivos são colorímetros, espectrômetros e densitômetros. Os instrumentos de medição de cores podem receber dados de cores da mesma forma que os nossos olhos recebem cores, reunindo e filtrando a luz que é refletida por um objeto, quer esse objeto seja uma flor ou uma folha de papel impressa com tintas de offset. O dispositivo de medição, no entanto, transforma a cor em um valor numérico que nos permite analisar cientificamente a qualidade de um objeto de cor específico. Abaixo temos uma breve descrição desses dispositivos.

Colorímetros

Os colorímetros medem as cores usando filtros para determinar a natureza da cor. No mundo das comunicações gráficas, os colorímeros costumam ser usados com mais freqüência para calibrar dispositivos de saída, incluindo monitores, impressoras e mesmo projetores LCD. Muitas vezes, um colorímetro pode ser usado como alternativa para um espectrofotômetro, mas ele não oferece a mesma precisão.

Espectrofotômetros

Um espectrofotômetro mede reflexos de comprimento de onda. Uma fonte de luz brilha através ou em um item sendo medido, como uma folha impressa, e um detector detecta a quantidade de luz absorvida pela área da folha impressa medida. Essa absorção é convertida em um número que pode ser analisado por um computador. Os espectrofotômetros são considerados a tecnologia mais precisa disponível para medir as características das cores. Um exemplo de um espectrofotômetro é o espectrofotômetro EFI ES-1000.

Densitômetros

Um densitômetro mede a densidade da cor. Os densitômetros são frequentemente usados em impressão em offset. Como as tintas são padrões conhecidos, um densitômetro ajuda a controlar a quantidade de tinta em uma página e a cor resultante. Os padrões de cores, como os padrões oferecidos pela Pantone, incluem as densidades da tinta como parte da especificação da cor.

Calibração, perfis e medições

Manter um ambiente de cores confiável é essencial para a produção de uma cor sempre precisa e consistente. Para atingir um ambiente de cor confiável, a calibração, criação de perfil e medição dos dispositivos de saída é fundamental. Hoje existem várias soluções econômicas que combinam todo o hardware e software essenciais para essas tarefas. Para ser bem-sucedido, é importante que todos os elementos na Cadeia de Fornecimento de Cores falem o mesmo idioma ou estejam integrados.

O que é calibração? É um processo que permite que o dispositivo de saída retorne a um padrão conhecido. A freqüência da calibração necessária varia conforme o ambiente de impressão e seus padrões de qualidade associados. Em alguns ambientes, os operadores calibram dispositivos diariamente ou a cada hora em que iniciam um novo trabalho ou introduzem um papel diferente no ambiente de produção. Em outros casos, os dispositivos podem ser calibrados diária, semanal ou mensalmente.

Ao calibrar, determinados dispositivos de saída, como esses sistemas usando o Fiery, você não precisa testá-lo com uma solução de criação de perfis para atingir cores consistentes e/ou precisas. Em outros sistemas sem os recursos do Fiery, é importante usar uma solução de criação de perfis como o EFI Color Profiler Suite para testar as correções de perfil que vão para a impressora. O perfil é usado para caracterizar a impressora e garantir uma saída de cor ideal. A calibração é usada para redefinir a impressora para o estado ótimo desejado.

As soluções de criação de perfis geram perfis ICC que caracterizam o dispositivo, permitindo uma melhor compreensão de seus recursos de cores. Um perfil ICC fornece um formato de perfil de dispositivo entre plataformas que garante uma cor consistente, em qualquer dispositivo em toda a Cadeia de Fornecimento de Cores. Normalmente, os fabricantes fornecem os dispositivos com perfis padrão, mas muitos operadores optam por desenvolver perfis personalizados para obter melhores resultados de cores em características de papel específicas ou características do dispositivo de impressão.

Um dispositivo de medição de cores lê o padrão/as correções de teste. Como os espectrômetros, como o ES-1000, são os mais precisos, eles normalmente oferecem os melhores resultados. Os resultados de correção/padrão de teste na tela são comparados aos valores numéricos associados ao padrão de teste. Uma solução como o Profile Inspector do EFI Color Profiler aceita o perfil, e ele é carregado em um dispositivo de saída como o Fiery. Esse processo permite que a precisão da cor seja mantida pelo dispositivo de saída.

Cor precisa e consistente

Quando uma solução integrada de gerenciamento de cores é usada em um ambiente de impressão digital, essas etapas podem muitas vezes ser consolidadas como mostrado na figura à direita. As áreas de perfil são impressas, medidas e carregadas no processamento. Quando os perfis forem gerados, a meta da calibração será incorporada ao mesmo tempo; portanto, uma única área atenderá aos objetivos de criação de perfil e calibração permanente do dispositivo, simplificando o processo.

Por que é importante criar perfis?

Os perfis ajudam os designers e outros profissionais da fase inicial da Cadeia de Fornecimento de Cores a prever melhor a forma como as cores serão reproduzidas nos estágios posteriores do processo. Este controle de cores no início da Cadeia de Fornecimento de Cores economiza tempo e diminui o desperdício durante as fases posteriores de execução do trabalho.

Além dos colorímetros, espectrômetros e densitômetros, há algumas outras ferramentas, medidas e componentes que ajudam na criação de perfis. Essas ferramentas incluem barras de cores, pacotes de testes e tolerâncias de cores como o Delta-E.

Barras de cores

Freqüentemente, uma barra de cores é incluída na folha impressa. Essa barra contém pequenas correções de cores sólidas e gradações de cores e é impressa fora da área da imagem, na área de acabamento. As barras de cores podem servir a muitos objetivos. Elas podem ser usadas para determinar com precisão uma cor em relação a um padrão fornecido ou para determinar a precisão da prova em relação a uma impressão final. As barras de cores também podem ser usadas para medir a consistência durante uma impressão de longa duração, de trabalho a trabalho quando um trabalho de impressão é reimpresso ou entre duas impressoras semelhantes.

As barras de cores podem ser encontradas em diversos lugares, incluindo o IDEAlliance (gratuitamente) e o iStockPhoto10. Muitos pacotes de imposição também incluem barras de cores em seus modelos de imposição. Outra opção aceita por padrões industriais é o Ugra/FOGRA Media Wedge CMYK, que monitora a qualidade das provas digitais. Ele também serve como um auxílio de controle digital para monitorar o efeito da imagem no modo CMYK e outros trabalhos de pré-impressão. Os valores de tom CMYK do Ugra/FOGRA Media Wedge são baseados nos padrões ISO. O Ugra/ FOGRA Media Wedge está disponível para compra na FOGRA.

Pacotes de teste

Depois de ter calibrado a Cadeia de Fornecimento de Cores, há outro nível de teste que pode ser realizado em ambientes onde a fidelidade das cores é extremamente crítica. O Altona Test Suite11 é um exemplo de um pacote de testes que pode ser usado como verificação técnica para um trabalho que esteja sendo impresso. Por exemplo, ele pode determinar se um RIP trata com precisão objetos PDF/X complexos como transparências e impressões sobrepostas. Esse pacote de teste foi desenvolvido em um esforço conjunto do German Printing and Media Industries Federation (bvdm), da European Color Initiative (ECI), da EMPA/Ugra da Suíça e da FOGRA Graphic Technology Research Association. Ele é frequentemente atualizado e criado para operações de impressão em offset, digital, gravura e jornais de acordo com os padrões ISO, assim como uma variedade de dispositivos de impressão. O Altona Test Suite Kit, que inclui amostras de referência para vários tipos de dispositivo de saída, pode ser adquirido on-line. Comparando a saída impressa a uma amostra de referência com um espectrômetro, os usuários podem identificar e corrigir a impressão das cores e outros problemas.

O Ghent Workgroup12 é outro grupo que publica pacotes de teste. O GWG é um grupo internacional de associações e especialistas da indústria cujo objetivo é estabelecer e compartilhar especificações para melhores práticas em um fluxo de trabalho gráfico. O website da organização inclui diversas especificações, arquivos de configuração (configurações de aplicativos), pacotes de testes, relatórios técnicos e outros materiais educativos para oferecer suporte à sua missão.

Esses e outros conjuntos de teste, que podem ser fornecidos por fabricantes de equipamento, garantem que a saída impressa esteja em conformidade com o ISO e outros padrões para trabalhos em que o uso da cor é crítico, assim como a consistência entre a Cadeia de Fornecimento de Cores.

Tolerâncias de cores: Delta-E

Medir a cor da saída impressa parece importante, mas o que fazemos com os dados coletados? Além disso, como você sabe quando tem um problema? O termo Delta-E é comumente usado para discutir o gerenciamento das cores e responder a essas perguntas. O Delta-E é um número ou medida exclusivo que representa a “distância” entre duas cores. Ele ajuda os usuários a identificar os limites de seus fluxos de trabalho e trabalho com essas expectativas. O Delta-E pode ajudar os componentes da Cadeia de Fornecimento de Cores a medir as diferenças entre uma prova e o produto impresso final ou monitorar se a cor produzida por um dispositivo de impressão específico oscila ou não. Ele também pode ajudar os usuários a determinarem como um determinado perfil é eficaz para impressão e prova. É preciso observar que há uma variedade de tipos de Delta-E, incluindo DEab, DE94, DE_CMc e DE2000. É importante estar ciente de que a medição Delta-E está sendo utilizada para criar comparações precisas.

O Delta-E deverá ser usado como medição relativa. O Delta-E aceitável varia amplamente dependendo do ambiente de impressão, do quando a cor é importante para o trabalho e de outros fatores. Devemos observar que o olho humano não é capaz de detectar as diferenças no Delta-E abaixo de uma medida de aproximadamente 2. Em ambientes como impressoras a laser, um Delta-E de 6 a 8 é perfeitamente satisfatório e é o nível que costuma ser alcançado em dispositivos baseados em laser. A maioria das impressoras comerciais considera uma faixa Delta-E aceitável de dois a quatro.

Cadeia de Fornecimento de Cores: Reunindo tudo

Uma Cadeia de Fornecimento de Cores funcional inclui mais partes móveis do que pode parecer óbvio em uma análise superficial. Compreender todas as partes móveis e como elas funcionam juntas é essencial para obter cores fiéis. Pense em um folheto de marketing. O processo de criação começa com o proprietário de uma marca, que pode criar parte do conteúdo, fornecer imagens e frequentemente especificar elementos da brochura, incluindo as cores a serem usadas. Em seguida, o projeto pode ser entregue para uma agência de publicidade ou criação e, por fim, para uma gráfica para produção. Um especialista em pré-impressão também pode participar, embora esta etapa seja menos freqüente, já que os fluxos de trabalho da produção estão cada vez mais digitais e automatizados. No mundo digital, as gráficas freqüentemente realizam suas próprias atividades de pré-impressão, em vez de terceirizar essas funções para empresas de pré-impressão.

Cada um desses elementos é fundamental na Cadeia de Fornecimento de Cores. Os erros de cores, em qualquer etapa da cadeia de suprimentos, afeta a qualidade geral do processo. É por isso que a calibração do dispositivo para um padrão comum, independentemente da localização física, tem um papel fundamental na fidelidade da cor em todo o processo de produção. Para processos grandes ou distribuídos, a Cadeia de Suprimento de Cores também pode incluir uma plataforma de produção distribuída. Os trabalhos de impressão podem ser reimpressos pela mesma impressora ou por uma impressora diferente, adicionando a complexidade de manter a fidelidade da cor durante todo o projeto de impressão. Com uma Cadeia de Fornecimento de Cores bem gerenciada, os materiais impressos deverão ser idênticos, independentemente de quando, onde ou por quem eles foram impressos.

Como declarado acima, a boa notícia é que a Cadeia de Fornecimento de Cores está cada vez mais digital, o que torna mais fácil garantir a consistência em todos esses aspectos diversos. Os processos digitais são mais amenos para controles de processo consistente. Considerando que esses controles de processo, como calibração, uso adequado de barras de cores, medição do resultado impresso em relação a um padrão, etc. sejam aplicados de forma consciente e consistente, o resultado final deverá apresentar cores fiéis.
Anúncios
 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: